terça-feira, 30 de maio de 2017

UM SONHAR INACABADO - VÍDEO

Oh, Deus, que nunca falte inspiração para decantar a beleza exuberante desta terra!
Um sonhador vertebrado
Com muita sabedoria
Num sonhar inacabado
Todo dia roga ao Criador
Em pensamento apurado
Que não faltem os olhos
Para observar com carinho
A beleza desta terra
Incutida na natureza
E nem as mãos para rabiscar
Nas folhas do caderninho
Um poema com ardor
Pois é no alento da alvorada
Que me chega á inspiração
Com o nascimento das flores
E nas pétalas suas cores
Então vou sentindo cada toque
Suavizando meu rosto
Com amor no coração.


Poetisa Mj, em 21/05/2017

segunda-feira, 29 de maio de 2017

FRAGMENTOS DO PASSADO

Nem tudo que reluz é ouro...Boa semana para todos.
Quantas vezes me pego a pensar na liberdade de andar e correr pelos campos sem medo, brincar livremente nas calçadas com bonecas de pano ou feitas com sabugo de milho, juntar-se as demais crianças, fazer roda de cirandinha, esconde-esconde, jogar bola, caçar ovos das patas nas lagoas, subir nas árvores de pequeno e grande porte para colher frutos, e as mais preferidas eram caju, manga, jabuticaba e pitomba, de adentrar nos currais e ver os vaqueiros da época tirar logo cedo o leite das vacas, então me aproximava, eles pegavam meu copo, enchiam e eu bebia me lambuzando toda, e saía dali feliz, depois seguia para as casas de farinha a fim de comer beiju bem quentinho, e como se não bastasse ver tantas guloseimas, ainda comia um prato de macaxeira com carne de porco, que de vez em quando dava uma reviravolta nas tripas, mas valia a pena. Quantas vezes me pego pensando nos bons tempos da infância, na felicidade simples de outrora encontrada em cada canto e no rosto das pessoas cumprimentando uns aos outros expressando um sorriso jovial. Quantas vezes me pego a pensar no respeito que os mais velhos faziam questão de nos ensinar desde muito cedo, mesmo através de palmatória e alguns castigos da época, e sem modéstia, nós sabíamos nos comportar nas escolas e em qualquer lugar, de conhecermos e cantarmos os hinos: Nacional, da Bandeira, do Estado e do Município, numa organização moral e cívica maravilhosa, e esse mesmo respeito, substantivo masculino que se refere ao ato ou o efeito de respeitar-se, bem como atitude necessária para favorecer a convivência na família, no trabalho, na comunidade, servindo de estreitamento nos laços de amizades, aceitando as diferenças, percebendo que cada pessoa tem o livre arbítrio de escolher ser quem ela realmente quer ser, na forma de pensar, agir, escrever, opinar, porém, nos tempos atuais torna-se difícil quando se quer ter razão a qualquer custo, ou quando se supõe, frente a qualquer ponto de vista, que a própria postura é a única possível, sem usarem o bom senso, e sem terem consideração e apreço pelo próximo, sendo preconceituoso em desfavor da etnia, das crenças, e de tantos outros, e tudo isso dói nas plaquetas da sabedoria, portanto, antes de julgar, é preciso se inteirar dos fatos, pesquisar e ler a fim de ficar por dentro da história e das notícias, para depois pensar se deve ou não, seguir adiante, pois recordar é preciso, e o mais belo é reviver cada momento, porque a estrada tem começo, meio e fim, e todos nós temos o mesmo sangue vermelho correndo nas veias. Enfim, hoje fico a chorar de tristeza nos soluços da madrugada que só eu mesma posso ouvir, bem como nos lamentos do meu pranto enchendo de saudade este pobre coração sofrido, em saber que só restam as boas lembranças dos tempos idos.
Escritora Mj, em 28/05/2017.

domingo, 28 de maio de 2017

A CASINHA DE SAPÊ

Inesquecíveis lembranças que não se apagam...
A boa lembrança
De um distante passado
No sertão onde morei
Na casinha de sapê
Bem no meio do roçado
Que sensação maravilhosa, pensei
Porém fiquei triste
Porque lá não lhe encontrei
Quando ficava debruçada à janela
Espiava pra ela e de repente
Via-a atiçando o fogo em brasa
No fogão queimado a lenha
Vestia no corpo o avental
Um pano de mão pendurado
E na cabeça sempre usava
Um lenço branco amarrado
Pisando o chão de tijolo batido
E arrastando uma chinela
Retirava a grossa nata
Pra fazer requeijão
E ao lado a mesa farta
De encher a pança
Por Deus eu era tão pequena
Mas recordo aquela cena
Como era bom ouvir seu grito
Vem cá, menina bela
Que o seu leite está coado!

Poetisa Mj, em 28/05/2017

sábado, 27 de maio de 2017

DILEMA

Ao invés do ódio e do rancor, plante a semente do amor...
Na serena alegria
Aprendendo a escrever
Procurei em algum lugar
Desenhar um coração
Encontrando o verbo amar
Comparei com o que sabia
Sem deixar transparecer
Brotando no rosto um sorriso
Pelo simples jeito de ser
A sua conjugação
Então fui conferir porque
Eu amo meu bem querer
Tu não duvidas que eu sei
Ele pode não saber amar
Nós amamos um ao outro
Vós dizeis que é mentira
Eles talvez desconheçam
A sua veracidade
Pois sem ti não tem carinho
Essa é a grande verdade.

Poetisa Mj, em 27/05/2017

quinta-feira, 25 de maio de 2017

CORDEL DO INTERIOR

Sou um pobre coitado
Criado no interior
Na seca terra do sertão
Vivendo com meu amor
Na choupana ali ao lado
À toa falo trocado
As letras do alfabeto
Porque não tive por perto
Professor de instrução.
E se bem me lembro
Foi no mês de setembro
Que conheci o doutor
Naquela roda gigante
Pulando feito um danado
Lá fiquei todo inchado
E o senhor me curou.
Pois comida de pobre é bucho
Farinha, milho e feijão
Às vezes pela andorinha
Quando pega de alçapão.
Mas no domingo come avultado
Galinha de capoeira
Com farofa e macarrão
Feita na banha de porco
Adoece de atrevido
Então dá-lhe desgosto
Igual barão ter comido.
De noite tem caganeira
Caindo suor do rosto
Sem falar no espinhaço
Doendo até o ouvido
E assim vive um roceiro
Pra não passar precisão.
E já me vou disparicendo
Ispiem de lá se ainda tou
Olhem pra dentro do seu raidão
Se não é outro locutor!



Poetisa Mj, em 25/05/2017

OBS: Escrevi este poema em, 02/04/2016.

quarta-feira, 24 de maio de 2017

REFLEXO

Lembro da morena formosa
Passeando toda prosa
Na cidade adormecida.
Aí vem a certeza
De alguém passando ao lado
E me esnobando com frieza
Achando que eu não era o cara
Dos sonhos pra ser seu amado.
Então no espelho refletido
Sondo todos os sentidos
Com imensa perfeição
Velejando por entre mares
Numa velha embarcação.
E sem me contentar
Viajo pelos ares
Nas asas da imaginação
A ver se encontro os belos olhos
Que abalou meu coração.
Sim, é você meu bem querer
Pois quando lhe vejo
Bebo na taça da sedução
Explodindo de desejo
Num beijo silencioso
Impulsionado a bater forte
Como rocha endurecida
Corajosa e atrevida
Vestida de escarlate
Determinada e muito viva.

Poetisa Maria José da Conceição (Mj), em 24/05/2017

segunda-feira, 22 de maio de 2017

CERTIFICADO DE MÉRITO-SEGUNDO

Boa noite a todos e a todas. Somos passageiros desta nave espacial chamada planeta terra, e quando aqui chegamos, como pedra bruta, nada trouxemos na bagagem, e aos poucos fomos descobrindo que podíamos fazer muito mais, uma vez que as portas da nossa memória foram se abrindo para a inteligência nos dando chances de melhorarmos, e quanto a minha pessoa, ando aprendendo dia após dia, esperando ser lapidada, uma vez que vivo na busca constante da essência, e assim, sem mais delongas, venho agradecer, de coração por ver mais uma vez o reconhecimento do meu trabalho, e isso não tem dinheiro que pague. Obrigada primeiramente a Deus por todas as conquistas; obrigada a AVL - Academia Virtual de Letras, através da Presidente Maria Ivoneide Juvino de Melo; obrigada ao corpo de jurados, por escolherem esta poetisa como a vencedora do mérito com louvor, concedendo-me o 1º lugar, com o poema OS TEUS OLHOS SÃO OS MEUS, conforme CERTIFICADO anexado, e sem nenhuma modéstia, com este já é o segundo certificado que recebo com muita luta, honrando a minha cidade, Estado e país; obrigada aos amigos poetas e poetisas pelos gestos de carinho e amizade, enfim, OBRIGADA, OBRIGADA, OBRIGADA!!!! Recebam um grande abraço fraterno que sai do peito!!!!
Poetisa e escritora Maria José da Conceição (Mj), em 22/05/2017

O DIA E A NOITE DO ABRAÇO

Feliz Dia do Abraço para todos!!
Nos lugares onde andei
Com muita simplicidade
Não precisei de cartilha
Pra conquistar amizade.
Desde menino usei a razão
Cheia de sentimento
Aprendendo entrar e sair
Sem deixar inimizade.
O tempo é curto reconheço
Mas pra você que é meu amigo
Virtual e do dia a dia
Em forma de reconhecimento
Deixo aqui o meu abraço
Fraterno que sai do peito
E apesar do meu cansaço
Um abraço eu não rejeito.
Pois neste coração nordestino
Fazem morada certa
Aqui é mais uma porta aberta
Pra comunicação
E acreditem ou não
Todos têm o meu apreço.

Poetisa Mj, em 22/05/2017

sábado, 20 de maio de 2017

Ó DO BOROGODÓ

Não adianta se desgastar, pois tudo dá no mesmo lugar...
Tento voar na imaginação
Mas o tempo vai passando
Seguindo o rumo do vento
O sol querendo brilhar
As nuvens teimam em cobrir
O sorriso do olhar.
E no momento
Sem nenhuma inspiração
Consulto os sentimentos
Guardados no peito e na alma
Bem dentro do coração.
Eles dizem que por hora
Todos estão abastecidos
E até eternizados
No livro publicado.
Porém isso não me satisfaz
Então saio corrigindo
Os arquivos inúteis
Que encontro no caminho
Todos tão desalinhados
Com problemas de privacidade
Inclusive a otimização
Tem muita veracidade
Quando o disco dá um nó
Nas brechas de segurança
Cacetada, isso é um ó do borogodó!

Poetisa Mj, em 20/05/2017

sexta-feira, 19 de maio de 2017

OS TEUS OLHOS SÃO OS MEUS

Ajuda-nos Senhor, a caminhar na tortuosa estrada...
Todo mundo quer ser bom
Ruim não há quem queira ser
E a lua falta um pedaço
Pra quem quiser ver.
Pois vi o curso do rio
Seguindo pra algum lugar
Com tanta curva encontrada
E todas desalinhadas
Desembocarem no aberto mar.
Eu vi um tempo indo embora
De mala e cuia na mão
Levando a malvada tristeza
E outro adiante apontar
Surgindo no oriente
Como uma estrela brilhante
Trazendo esperança de novo
Pro povo viver contente.
Vi também ator correr
Pra tomar banho no rio
São Francisco é belo e frio
E cabelo ele não tem
E quem não o conhecer bem
Pode chegar a morrer
Afogado e sem sustento
Numa tremenda agonia
Terminando seu dia, é certo,
Como o passar do tempo.
Vi avião rasgando o céu
Direto pro estrangeiro
Porém não aguentou o tranco
Do vento forte
Vendo quem tava dentro cair
Num tremendo desespero
Brotando no peito a dor
De quem esperava no banco
Chorando até morador
Do lado de cá do norte.
Um dia vi presidente cair
E pálido vice assumir
Vi panelas amassadas
Precisando de tempero
Mas hoje permanecem caladas
Por falta de manutenção
E quem bater nelas agora
Vai sofrer do coração.
Vi marmota aparecer
Do jeito que o diabo gosta
Cutucando o cão com vara curta
Pro menino tolo comer
O doce sem abrir a lata bruta
Tendo uma tremenda indigestão.
Vi homem de bem trambiqueiro
Também vi outros pares

Trancafiados na prisão
Transformar até besouro
No país que vale ouro
Em pura corrupção.
E pela luz que me alumia
Não me venha com engenho
Que da lei conheço bem
Diga a todos que fico
Pra comer mais um vintém
E não seja bisbilhoteiro
Das coisas que não conhece
Quem apanha se lembra
Porém que bate esquece
Rogando a Deus uma prece
Que dê muita proteção
Ao meu Brasil brasileiro
Bem como a você, meu amigo
Porque é verdade o que digo
E tudo isso eu vi passar
No noticiário escrito e falado
E muito bem publicado
Sem sair do lugar que vivo.

Poetisa Mj, em 19/05/2017

quinta-feira, 18 de maio de 2017

A FERA

Na vida aprendi que a vida não é fácil para ninguém, pois carregamos dentro de nós uma tremenda fera ferida sem vida própria. São medos, incertezas, angústias, tristezas, dores, desamores, e é como fera que muitas vezes maltratamos e magoamos sem querer a quem nos quer bem, não olhamos para o outro lado, e nem tão pouco pensamos nas consequências dos atos praticados, só vemos o que está a um palmo do nosso nariz, e que se danem os demais, cegos e cheios de rancor, aí ficamos alheios, então quando nos damos conta, já é tarde, o outro partiu restando apenas saudade e muita dor, pois cada um sabe o que passa sem viver aquela farsa de ser um bom companheiro, porque ninguém quer ficar à toa, procura sempre outra pessoa para sair da solidão, e só em pensar na possibilidade da referida solidão absoluta, dói no peito e na alma de qualquer vivente, não tem jeito, e se a mesma solidão fosse tão boa, seria mais uma lepra de catapora, sarampo, coqueluche, todos se aproveitando da fraqueza humana, e é assim que ela começa do fio do cabelo até o dedão do pé, portanto, solidão, aí vai um conselho que se fosse bom não dava, vendia, porém não gosto de covardia, e nesse caso, faça-me um grande favor, saia, vá embora, de preferência para a ponte que kaiu, é melhor, e diga lá que nem me viu!
Escritora Mj, em 18/05/2017

terça-feira, 16 de maio de 2017

CORDEL DA BICHARADA

Paz e luz, pois contra o tempo tem o vento soprando de algum lado...
Carcará saiu do ninho
Pra caçar um passarinho
E a família alimentar
Avistou uma carcaça
No centro daquela praça
Dando sopa pra xuxu.
Apareceu Zeca Urubu
Com bico bem afinado
Sai de baixo que eu vi primeiro!
Quem és tu pra mandar
Na frente do meu terreiro?
Indagou o Sabiá.
Gavião pulou no meio
Vem pra cá
Você não tem nada com isso
Mas agora vou mostrar
Com quantas asas se faz um avião
Porque sou bom no riscado.
Foi um tremendo reboliço
O Gavião Real chegou
Viu o Lobo Guará correr
Pra avisar a comunidade
E o povo da cidade se preparar
Pois o cara não era boa bisca
E quem primeiro pulou fora
Foi a Rolinha Fogo Pagou.
A tarde se fez sombria
Diante daquela cena suja
Chorou até a Andorinha
Vendo pena voar
Envergonhando a coitadinha.
Lero lero de pirua não vale
Pois um é rei dos ares
A outra é bem fraquinha
Parece mais brincadeira
Isso é até desumano
Falou a Planta Parreira.
O Papagaio ia passando
Escutando a conversa
De repente parou
Véi, na boa minha gente
Esse cara é encrenqueiro
Atacou o compadre Corvo
Por causa de uma carniça
E quem a briga apartou
Foi dona Coruja que gritou
Pra dispersar a mundiça
Acalmem os ânimos, rapaziada
Esta é uma cena engraçada
Pois vi agora mesmo
Um boneco estraçalhado
Trapaça daquela molecada
Só pra ver vocês brigarem.
Vejam que o tempo
Tem o vento
Soprando de algum lado
Então façam as pazes rapidinho
E vocês estão sendo filmados
Pelo Senhor Canarinho.

Poetisa Mj, em 16/05/2017

segunda-feira, 15 de maio de 2017

INFINITA GRATIDÃO

Quando a terra e o mar eram um só
O Senhor fez por bem separar
Lá no céu Ele botou a lua
As estrelas e o sol a brilhar.
Deu aos peixes um lugar pra morar
E a terra Ele então povoou
Com o homem e os animais
Dando um teto e o pão pra comer
Daí por diante Ele fez muito mais
Por amor sem cobrar.
Obrigado Senhor nas alturas
Pra sempre vou Lhe agradecer
Canto um hino silencioso
Retirado do meu coração
E dedico a Você.

Poetisa Mj, em 15/05/2017

domingo, 14 de maio de 2017

NAS SEARAS DO TEMPO


Este poema de minha autoria, encontra-se inserido no livro Antologia Virtual da Essência Poética Volume I, Sarau Poético Mãe.
Mãe, dizem por aí que,
Jardim bem cultivado
Na sua originalidade
É pomar adocicado.
Mas a dor que dói a alma
E a tristeza que aflora
São mais fortes que eu.
E na verdade,
Essa rebelião do espírito
Dá uma enorme geometria
Porque atravessei desertos
Nas searas do tempo.
Caminhei solitário e sozinho
Jogado ao vento.
Amarguei as consequências
Sem te ter por perto
Para me aconchegar nos teus braços
E nem os pássaros me fizeram companhia.
Cheguei a pisar em profundos espinhos
Sangrei até a última gota do orvalho da manhã
E sem ter noção para onde retornar
Perdi-me no silêncio da noite.
Porém confesso de coração
Que se pudesse modificar o destino
E dez vidas eu tivesse
Dez vidas eu te daria
Em retribuição a vida que me deste.

Poetisa Mj, em 14/05/2017

REBENTO DA NATUREZA

MÃES DO UNIVERSO, PARABENS PELO SEU DIA!
Mãe,
Uma semente certeira
Que na terra Deus plantou
Com muita emoção
No jardim da natureza
Germinou e floresceu
Essa linda roseira
Rodeada de botão
Tão frondosa e carinhosa
Cheia de amor no coração
Pelo filho que gera
Nos braços o embala
Amamenta com presteza
E passa noites de sono
Sem se importar com a beleza.

Poetisa Mj, em 14/05/2017

quinta-feira, 11 de maio de 2017

JURAS SECRETAS

Vejo pousar no horizonte
Um doce mistério
Escondido na fria noite
E meu coração não perdoa

Aquele sorriso triste
Então disfarço o olhar penetrante
Comprometido num pensar
Das juras secretas feitas
Em sintonia com o amor distante
Que insiste em fazer das palavras
Um constante silenciar
Pois o vento como açoite
Voa galopante no espaço
Deixando fluir a liberdade
Na sinfonia dos sonhos
.
Poetisa Mj, em 11/05/2017

quarta-feira, 10 de maio de 2017

A FLORESTA DA VIDA

Uma planta para sobreviver ás tempestades no jardim, necessita da água, da terra, e do nosso carinho, bem assim é a vida, ela é feita de entregas e compartilhamentos uns com os outros, bem como das vivências adquiridas através do tempo elevando mais e mais os nossos conhecimentos em prol do bem comum, uma vez que agimos dentro dos padrões convencionais, tendo um bom procedimento sem jamais querermos prejudicar o próximo, cumprindo assim os valores estabelecidos na sociedade em que vivemos, pois somos responsáveis pelas nossas ações com liberdade de voarmos em busca de novos horizontes, e a maior recompensa que podemos ter, é ver o brilho de satisfação no olhar como forma de reconhecimento do tesouro da humildade, então que sejamos benditos guerreiros porque a floresta da própria vida esconde mistérios sagrados aos olhos do homem.
Escritora Mj, em 10/05/2017

terça-feira, 9 de maio de 2017

CERTIFICADO DE MÉRITO

Boa noite!!!! Obrigada Senhor, por me proporcionar mais essa alegria!!! Obrigada a amiga poetisa Miriam Brilho, poetisa Elair Cabral, aos administradores, ao grupo, mesa julgadora, pois participei com o poema SAUDOSO ESPELHO, escrito por esta poetisa alagoana, e venci com louvor, honra e glória, então vim partilhar com vocês amigos brasileiros e estrangeiros, e dizer que este mérito é um grande incentivo para tantos poetas e poetisas existentes no planeta, que continuem escrevendo e jamais desistam, acreditem e os sonhos serão realizados!
POETISA VENCEDORA DO MÉRITO COM LOUVOR MARIA JOSÉ DA CONCEIÇÃO
Poeta vencedora do mérito com louvor Maria José Conceição com o poema Saudoso Espelho .
Agradecemos a todos os poetas que participaram publicando e interagindo comentando e curtindo os poemas de outros poetas.
Fizemos a seleção considerando o poema e a interação dentro grupo conforme o regulamento e um juri de seis poetas votaram sem saber o nome do autor
Queremos agradecer também em especial aos que poetas que além terem poemas lindos que foram para ser apreciados pelos jurados mais se destacaram por grande interação com os demais poetas.
Luduvice José
Roberto mello
Paulo Major
Chico Mulungu
Elair cabral
Nina Godoi
Agradecimento especial aos jurados.
Lua Nova Nanda, Mau Mauricio Swami Divyam Anuragi Duarte Barbosa Soares Kainha Brito Joabe Tavares e Antonio J Santos.
Participem do Evento dessa semana já estamos selecionando os poemas com interação de acordo com o regulamento.
EVENTO
ATENÇÃO!!!
Evento semanal...
A partir do dia: 01/05/17
Haverá menção honrosa (louvor) para o melhor poema postado do grupo: 'intenção e gestos' Grupo da: AVL 'ACADEMIA VIRTUAL DE LETRAS'
Poemas e poetas serão analisados durante a semana e receberá menção honrosa (louvor), o poema classificado pela mesa julgadora.
Regulamentos: de participação, para menção honrosa...
Ganhará menção honrosa o poeta que estiver interagindo com os quesitos do grupo: Intenção e Gestos
1º Toda responsabilidades sobre o poema postado, é do poeta que representa o poema.
2º O poema terá que ser do próprio poeta, com nome do poema acima da obra e nome do autor no rodapé da obra
3º Postar no máximo, três poemas diário.
4º Para cada poema postado o poeta terá que: curtir e comentar no mínimo três poemas dos de mais poetas.
O evento ocorrerá de domingo a sábado e o poema contemplado será apresentado nas, segundas feiras.
Projeto Antonio Montes
Poemas selecionados por Antonio Montes Edi Almeida e Miriam Brilho.

Poetisa Mj, em 09/05/2017

segunda-feira, 8 de maio de 2017

CONVERSA DERIVADA

Há tempo para vivenciar o próprio tempo...
Nas estradas que passei
Guiada pelo pensamento
Encontrei o tempo dividido
Sem saber para onde ir
Estendi o ombro amigo
E na conversa derivada
Pedi que sentasse
E abrisse seu coração.
Então na maior delicadeza
Ai ele disse
Que eu não me preocupasse
E com firmeza respondeu
Que há o tempo para chorar
E outro para sorrir.
Tempo de aprender
Escutar sem exigir
Como o sol no despertar.
Há o tempo para arar a terra
Plantar a semente
Germinar e florescer
Como o botão da flor
Para depois colher
O fruto do amor
Alicerçando o sentimento
Sem esquecer o tempo de partir
Para depois renascer.

Poetisa Mj, em 08/05/2017

sábado, 6 de maio de 2017

HOMENAGEM ÀS MÃES

Mães do universo, parabens!
Lá escondida atrás dos montes 
Fica a lua permitindo ao sol
O despertar de rara beleza
Numa verdadeira união astral
É igual a uma perfeita travessia
Iluminando a cidade
E neste segundo domingo de maio
E numa sincera amizade
Homenageio com carinho
As mães de todo país
Do mundo inteiro
E também da minha cidade
Pois em qualquer lugar
São verdadeiras rainhas
Então parabens pelo seu dia!

Poetisa Mj, em 06/05/2017

sexta-feira, 5 de maio de 2017

SAUDOSO ESPELHO

Saudade, onde estás que não te vejo!
No sótão envelhecido
No primeiro pavimento
Um espelho bem vivido
Forrado com madeira da cidade
Que guarnecia aquela habitação
Fora guardado com sentimento
E esquecido pelo tempo.
Estava todo quebrado
Mas ficou a armação
Ornamentada de flores
Lamentando a saudade ausente
Dos tempos idos
Pois um temporal inconveniente
Num momento de feitiço
Deixou alguém despedaçado
Com o coração encharcado
Do orvalho da manhã.
Daí o silêncio se fez presente
Porque a noite é um templo sagrado
Onde se revela segredos
Antes nunca desvendados
Os quais explodem na escuridão
Dos sentidos pensamentos.

Poetisa Mj, em 05/05/2017

quarta-feira, 3 de maio de 2017

O CANTO DO POETA

Do meu canto
Eu canto pra te encontrar
Canto o amor e o carinho
Pra um dia tu me amar.
Eu canto do meu cantinho
No Nordeste brasileiro
E é pro mundo inteiro saber
Que as pequenas coisas
Eu canto pra te inspirar.
Mas fico igual uma menina
Buscando sua boneca
Na certa, canto as rosas
Canto as brumas e alvoradas
Canto ao ver os passarinhos
Retornarem pros seus ninhos
Canto alto, canto e encanto
Sozinha no meu cantinho.
Canto melodia alegre e feliz
Porém triste tu me diz
Que quando ouvem o meu canto
Eu fico desafinada
Mas pro poeta, meu amigo
Isso não é nada
Assim não há canto que resista
Ouça bem o que te digo
Eu preciso viver cantando
As voltas que o mundo dá
Até publicar numa revista.
Eu canto com harmonia
Também canto pra realeza
E quando minha voz acabar
Farei gestos de maestria
E assim cantarei todo dia
Encantando a natureza.

Poetisa Mj, em 03/05/2017

terça-feira, 2 de maio de 2017

ALENTO DA ALVORADA

No alento da alvorada
O céu se cobre de cores
De plumas e as flores
Plantadas na bruma
Recebem gotículas de orvalho
Colorindo seus adereços
Na claridade dos montes
Então em real segredo
O vento passa nas dunas
Balançando os coqueirais
Levando os amores
Por entre os roseirais
Com o canto da passarada
Despertando a natureza
Porque as decisões tomadas
Não terminam com um ponto final
Haverá sempre um ponto e vírgula
Indicando o local para uma pausa
Na beleza da vida.

Poetisa Mj, em 02/05/2017