quarta-feira, 18 de outubro de 2017

FLOR DO SERTÃO

Saiba regar o jardim a fim de que ele floresça...Bom dia!
Bendita flor do sertão
Pequena e tão singela
Que de espinho está cercada
Enfeita a janela
E serve de alento
Para a alma atormentada
Causada pela distância
Levando no peito o lamento
Daquele triste sorriso
Mas cheia de viva cor
Exala ao vento o perfume
E no coração do tempo
Embala discretamente os dissabores
Das dores sofridas
Pela ausência dos amores
Sem mágoa e nem rancor
De quem saiu sem as regar
Deixando-a secar de agonia
Pois o que o outro queria
Era se livrar do problema
Sem saber que deixou um dilema
Para alguém o desvendar
Porém se aquele bordão não tivesse
Abandonado a navegação
Com ar de superioridade
Hoje estaria guardado
Com toda supremacia
E na sua hegemonia
Não se sentiria desprezado
Por alguém que nunca amou
E nem tão pouco sentiu prazer
De gemer sem sentir dor.

Acadêmica Maria José da Conceição, em 18/10/2017
Cadeira: 24
Patrono: Luíz Vaz de Camões.

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

SERTÃO ENCANTADOR

Sem demagogia, a poetisa responde com alegria, bom dia!
De várias partes do Brasil
Perguntaram a poetisa
Se ela sabia dizer o que tem
Na região norte
Do Estado de Alagoas?
Ela assim respondeu que
Quem vem do sul ou do sudeste
Do sertão ao litoral
E passa pelo Nordeste
O coração do viajante
Cabra da peste de primeira
De bobeira pulsa forte
Repleto de alegria
Ao ver a beleza colossal
E a paisagem exuberante
Imperando na natureza
Ao descer a Serra das Pias
Pois segundo a pesquisa
Há um porto de água
Navegante por estar
Entre as pedras e o rio
Desaguando para o mar.
Foi ali que ela nasceu
Porém não se criou
Viajou para o agreste
Terra de gente das boas
Porém comeu o pão
Que o diabo amassou
Pra poder sobreviver
Com muita valentia
Se juntando a outra enchente
Faça chuva ou sol ardente
Mantém um sorriso acolhedor
Até nas noites de luar
Dando gosto de se ver
A alegria estampada no rosto
Sabendo esconder a tristeza
Sem causar dor por onde passa.
Ao mesmo tempo sente-se
Um relevo na hidrografia
Tendo um clima tropical
Escrito na geografia
Aqui todo mundo é igual
Pode ser no serviço braçal
Ou ter diploma de doutor
E se olhar direito
Pode crer que no terreiro
Não falta a galinha
E nem ovo no galinheiro
Galo com pinta de marinheiro
Com gogó bem afinado
E pra acordar o povo inteiro
Canta quem nem um danado
Tem vasto pasto pro gado
Feijão verde no roçado
Milho seco pra ralar
Sem falar que de manhazinha
O leite quente é retirado
Pro menino ficar alimentado.
Tem peão aboiador
Quando monta o alazão
Fica igualzinho ao seu avô
Pegando carneiro e cabrito
Apenas com um grito
Tem ave de arribação
Colorindo o céu azul anil
Violeiro e instrutor
Forró e forrozeiro
Pra dançar vendo um cantor
Na praça bem revestida
Água encanada de montão
Mas não se engane
Porque no verão
Tem uma seca lascada
No sertão encantador!

Acadêmica Maria José da Conceição, em 16/10/2017.
Cadeira: 24
Patrono: Luíz Vaz de Camões.

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

TUDO PARECE AQUARELA

FELIZ DIA DA CRIANÇA!
Preparei na calçada
Uma casinha de boneca
E dei de presente
Pra menina sapeca
E bem aplicada
Brincar contente de cirandinha
Depois ela fará comidinha
Embaixo do batente
Pois no sorriso da criança
Não se vê choro e nem vela
Tudo parece aquarela
No brilho do seu olhar
E no reino do faz de conta
Ela apronta bonitinho
E ficamos a gargalhar
Do passado vem na lembrança
Quando se era menininho
Juntava os amiguinhos
Pra jogar bola e petecar.

Acadêmica Maria José da Conceição (Mj), em 02/10/2017.
Cadeira 24
Patrono: Luíz Vaz de Camões.

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

CRIANÇA ADORMECIDA

Feliz dia para a criança do ontem, do hoje e do amanhã, força!
Acredite na força que tem
Sente num banquinho
E retire do peito a tristeza
Liberando a criança adormecida
A qual se encontra esquecida
E presa como passarinho
Habitando dentro você
Deixe que ela exista
Sonhando e resplandecendo de alegria
No verde campo da terra
Imperando na natureza
Pois não tem jeito
E não é defesa
O caminho da solidão
Então deixe que a magia das flores
Sejam mais flores todo dia
No botão que desabrocha
Encantando a poesia
No coração dos amores!

Acadêmica Maria José da Conceição, em 11/10/2017.
Cadeira: 24
Patrono: Luíz Vaz de Camões.

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

SEM PENSAR NO AMANHÃ

Te esperarei, seja aqui ou do outro lado!
No verão primaveril
As folhas secas que caem
Daquela árvore frondosa
Beijam com presteza
As cores do coração
Adubando a natureza
Que estava adormecida
E no resgate da vida
Ó tempo dizei
Se em cada linha aqui escrita
Num cair e levantar
Aquelas pedras benditas
Deixarão de rolar
Para que eu possa acreditar
Num novo amanhecer
Sem tristeza no olhar
Já cansado de sofrer
Pois na estrada empoeirada
Cavalguei em disparada
Sem pensar no amanhã
Mergulhei com sentimento
Numa linda canção
Levando-te em pensamento
Nos lugares que passei
Então saibas que te esperarei
Atentamente ao redor do mar
E longe de toda gente
Porque a água continua serena
Nos mistérios da alma
E repleta de atitude
Nos papiros da virtude!

Acadêmica Maria José da Conceição, em 09/10/2017.
Cadeira: 24
Patrono: Luíz Vaz de Camões.

domingo, 8 de outubro de 2017

SENHOR EU TE AGRADEÇO

Senhor eu Te agradeço
Cheia de emoção
Do nascer ao por do sol
Pela manhã tão bela
No poder de abrir os olhos 

E enxergar da janela
A natureza resplandecente
Num lindo versejar
Pelos ouvidos aguçados
O pulsar do coração
Na vertente do sangue
Passeando nas artérias
Pelos rios e mares
Lagoas e oceanos
Enseadas e lugares
Conhecidos até demais
Pelos morros ancestrais
Dos pais que Me deste
Nos momentos vividos
Nos braços acolhidos
Repletos de amores
Pelas flores do campo
Desabrochando todo dia
Misturando suas cores
Pela vida nas águas
Com peixes multicolores
Nos ares a passarada
A voarem contentes
Na sabedoria das mentes
Afastando as dores
Pelos animais terrestres
Que retiram a solidão
Harmonizando os lares
Com carinho e afeição
E ao anoitecer
Dá gosto de se ver
Sob a luz do luar
Violeiro e violão
Animando toda gente
Com canto e poesia
No céu os anjos tocam harpas
Os arcanjos não ficam atrás
Pois batem nos tambores
Glorificando o Teu nome
Para sempre com alegria.

Acadêmica Maria José da Conceição (Mj), em 08/10/2017.
Cadeira 24
Patrono: Luíz Vaz de Camões.

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

A TRAMA DO TEMPO

O que te confiei com emoção
Meu coração não cansa de falar
Que já é noite dentro de mim
E logo mais ressurgirá a aurora
Na distante madrugada
Abro a porta devagar
Ouço a multidão na calçada
A dizer que o gigante 

Perdeu-se no tempo
De repente o espaço escureceu
Neste céu nebuloso
Pois tudo estava tramado
E na viagem sem volta
O vento encarregou-se 
De levar-te para o outro lado
Sem nenhuma explicação
Eu não queria 
Ser um encosto na tua vida
Isso dá desgosto por não entenderes
Da armação do barraco
O meu corpo tornou-se um caco
E nunca mais será viçoso
Por causa da minha rebeldia
Mas eu nunca desisti de ti
A tua voz continua vibrante
Nas plaquetas da sabedoria
O meu ouvido capta o som
Que trago guardado na memória
Mesmo que eu tente gritar forte
Não há força suficiente
Para dizer que valeu a pena
Um dia ter vivido cada momento
Ao teu lado meu amado
Peço-te que devolvas o luar
O qual se foi quando partistes
Devolve-me as manhãs ensolaradas
Pois os meus dias estão tristes
Devolve-me o brilho do olhar
Porque ele continua opaco
E o meu sorriso já não existe!

ACADEMIA VIRTUAL DE ARTES LITERÁRIA
Cadeira 24
Patrono: Luíz Vaz de Camões.
Acadêmica Maria José da Conceição (Mj), em 05/10/2017