quarta-feira, 30 de novembro de 2016

MUSEU XURURUS

Na cidade de Palmeira dos Índios, situada no Estado de Alagoas, região Nordeste brasileiro, podemos encontrar o MUSEU XUCURUS, sua inauguração aconteceu no ano de 1971, o mesmo foi construído dentro da Igreja do Rosário, como podem ver através desse vídeo, lá existe uma variedade de peças antigas e em cada uma delas conta lindas histórias tristes e alegres, são relíquias do passado distante, porém presente na memória do seu povo. Em breve mostrarei um pouco dos utensílios da etnia Xucuru-Cariri.
(Escritora Mj, em 30/11/2016)

GIGANTE PELA PRÓPRIA NATUREZA

O velho estradeiro do sertão
Conta que no imenso e desejoso céu de anil
Cobrindo a terra verdejante
O morador do norte e do sul
E do leste ao oeste brasileiro
Tanto faz no campo ou na cidade
Faça chuva ou sol ardente
De coração abre a porta e acolhe o viajante
Não importando a nacionalidade
É assim o meu povo heroico e varonil
Espalhado neste garboso Brasil!
(Escritora e poetisa Mj...29/11/2016)

terça-feira, 29 de novembro de 2016

O PIAR DA CORUJA

Fim de tarde e logo aparece sombria
Numa camuflagem perfeita a coruja
Envolta em mistério e beleza
Ouve-se ao longe o bater das asas
Um grito no ar ressoa forte no vão da natureza
Parece não querer ficar sozinha, desprezada
Corre em busca de alimento, abrigo e afago
Com olhos de luneta arregalados
Então a galeria passa em grande visão obscura
De transformar desertos, vales, terra e mar
Viajando nos sonhos com liberdade de voar
Recuando quando há necessidade
Insistindo e reinventando a passos largos
Soltando-se no vento, divertindo e velejando.

(Escritora Mj, em 29/11/2016)

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

CADÊ VOCÊ, MINHA MÃE..

Mãe, uma palavra pequenina
Simples, sublime e singela
Nasce e cresce bem consciente
Menina, mulher atraente

Se faz moça decente
Casa e nos braços embala o filho
Consola-o com amor no coração
É tolerante e amiga sincera
Mas quando fica brava 
Não se espante, é pro seu bem
Escuta-o com paciência, aconselha
Com sua verdade ou mentira
Buscando uma solução
No entanto a idade chega
Envelhece na flor da solidão
Assim, meu amigo vou mais além
E deixo pra você um recado
De um simples pobre coitado
Sofredor das amarguras
Pois quem tiver sua mãezinha
Vivendo ainda na terra
Não seja um filho malvado
Cuide dela com carinho
Pra quem não soube aproveitar
Agora só resta lamentar
E orar pro Filho de Deus
Que ela esteja num bom lugar.


(Escritora Mj...28/11/2016)

LIVRO ABERTO

Salve, salve, companheiro
Que no silêncio brando da alma
Escreve com várias cores da caneta
As quatro estações do ano
Nas páginas da vida
Perfumando corações angustiados
Levando conhecimento o ano inteiro
A quem precisa manter viva a chama
Do desejo da leitura num pedaço de papel
Pois candeeiro aceso é arrojamento do poeta
Porém quando parte ninguém vê
E nem sabe por onde caminha
Padecendo suas adversidades
Deixando a porta semi aberta
Mas dentro do quarto vive recordando
Através do pó que descansa na prateleira
Arrumado na estante.

(Escritora Mj...28/11/2016)

domingo, 27 de novembro de 2016

DELÍRIOS DE ADOLESCENTE

Quando o natal se aproxima 
Surgem as lembranças na mente
Pois os olhos da criança tinha um brilho especial
Na calçada ela brincava livremente de casinha
E de pano sempre foi sua boneca
Bem fofinha recheada de algodão
Os cabelos eram soltos sem trancinha
Fazendo um coque amarrado com cordão
Porém na fantasia há uma fresta de luz
Inocentes sonhos incandescentes se apagam
Lá está ela a espreitar veemente
Esperando brotar o futuro à janela
Descamba num mundo desconhecido
Delírio frenético de adolescente conduz
Transbordando o peito de alegria contagiante
A batida do coração se faz mais forte
Encanta ao declarar sentimentos adormecidos
Os olhos da quimera anunciando loucamente
Que a semente plantada outrora germina
E o véu suave da noite no momento
Chega para fechar a cortina do tempo.

(Escritora Mj, em 27/11/2016)

sábado, 26 de novembro de 2016

FOGARÉU DA ALMA

Sigo carregando no peito forte sentimento
O qual atravessa um deserto de areia
Porém a noite insiste a forte ventania
E com o sol do dia amanhecendo
Tento fechar os olhos para a poesia da alma
Enterrando profundamente as feridas
Mas elas não saram então choro
Por ser inclinada a melancolia
E por mais que queira não posso evitar a solidão
Alguns me chamam de louco
Porque quis ser a garça voando na imaginação
O xexéu cantando na bananeira
Ou o altivo rouxinol da cocheira
Sei que sou um eterno apaixonado
Sentindo a natureza ao redor
E sempre serei na simplicidade da vida
Quero envelhecer com lucidez e sabedoria
Tentando esquecer a tristeza
E enchendo o coração de alegria
Do tempo que me resta
Assim jamais me sentirei um ser derrotado.

(Escrito por Maria José da Conceição (Mj), em 26/11/2016)

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

ARROGÂNCIA E TEIMOSIA

- Tu não vai!
- Eu vou sim!
- Eu já falei que tu não vai!
- Ora, eu vou porque tu não manda!
- Larga de ser teimosa!
- Repito que eu vou, é tu na frente e eu atrás!
Foi assim que lá embaixo
Na grande floresta ardia
O fogo queimando a lenha
Mas o povo lá não ia
Com medo do touro arrogante
E da vaca teimosia.

(Escritora Mj...25/11/2016)

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

O GRITO DA LIBERDADE

OBS: Para ter acesso ao restante do texto, agora só adquirindo um exemplar do livro O Universo de Maria, caso tenham interesse, basta entrar em contato com a minha pessoa, e desde já também terão a minha gratidão eterna...Bom dia com paz, luz e harmonia.

Quem sou eu? De onde venho? Nasci numa casa e fui para outra, por quê? Alguns nascem perfeitos da matéria e outros defeituosos, tanto da matéria como do caráter, por quê? Após alguns anos, a matéria apresenta defeito, por quê? Estou aqui, por quê? Quem me mandou vir? Qual é minha missão na terra? Para onde irei depois que partir o cordão de prata? Fulano ou sicrano não me aceita, por quê? O que fiz de ruim no passado para merecer castigo? O espírito, alguém pode me falar alguma coisa sobre ele? Viverei até quando? Aonde procurar todas as respostas que preciso neste momento? O que é a essência? Socorro ajuda-me, meu “barco” está afundando, segura na minha mão e não me deixa cair, bradava “Salomão” de braços abertos aos quatro ventos em um dos seus discursos na tribuna, o qual foi convidado para fazer parte da mesa e se dirigindo a platéia à sua frente, continuou. Um assunto para mais de 200 talheres - Fácil, torna-se falar, o difícil é não vincular, uma vez que a própria essência da alma lembra um pouco de poesia leve e sem compromisso, a palavra me lembra flutuar do nada, meu pensamento, mas flutuamos, e encaixando o nosso período na história da vida, porque em si, já é uma arte para quem realmente sabe viver, estou aqui, falando com os olhos banhados em lágrimas que penso nos deslumbres de sentimentos até então inexplicáveis e as incertezas trilhadas pelos caminhos. O “eu”, neste momento, me passa uma emoção, um estado, um sentimento de medo profundo com cores avermelhadas, o solo é uma “zona” porque tem influência diretamente no clima, dizem que sou um perfil dele, outros falam que sou rocha pura recém exposta, mas me falta audácia para acreditar, por fim, chego à bendita conclusão de que é preciso ter consciência dos atos e ações praticados, os quais se compõem de mil nadas como picadas de alfinetes. E digo mais, prossegue Salomão, que na maioria das vezes, o homem, de um modo geral, possui forças enormes ao alcance das mãos, no entanto, vive uma existência artificial, esquecendo do sentido da vida, mas nem sempre tudo é como pensamos...

(Escritora Maria José da Conceição (Mj), em 24/11/2016)

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

SINGELA PERFEIÇÃO DA LITERATURA DE CORDEL

Segui a voz que saía
Daquela casa amarela
Procurei ao redor dela
Entrei enquanto batia
Vi um jovem emocionado
Debruçado à janela
Declamando com a alma
Poesia em simples papel
Na singela perfeição
Da literatura de cordel
Dizia que satanás
Sem audiência marcada
Chegou nervoso e arrogante
Pra tomar satisfação
Com Noel e o guardião
E foi barrado na entrada
Então acendeu o isqueiro
Pra tocar fogo no céu
Num rompante apareceu
Lampião com a escopeta
De quatro canos na mão
Aí foi uma briga danada
Pra afugentar o capeta
Deu-lhe um chute no traseiro
E com a força do pensamento, gritou,
Valei-me meu padrinho
Padre Cícero do Juazeiro
Pois hoje bebo a desgraça
Do fracasso retumbante
Numa mesa de bar sozinho
Pra afogar as mágoas
De alguém que não cresceu
E hoje sofre certeiro
Mas isto serve de exemplo
Pra que não aprenda a confiar
No diabo zombeteiro que apareceu
Vá-se embora seu jumento
Porque esse mundo não é teu!

(Escritora Mj...23/11/2016 - Literatura de Cordel)

terça-feira, 22 de novembro de 2016

METAMORFOSE DA VIDA

A beleza do mar azul se iguala com a cor do céu, e o barulho das suas águas que deságuam como espuma na areia branca da praia, dá uma sensação gostosa de renovação da vida, e para completar esse quadro, vê-se ao longe um navio atracado esperando chegar o momento de se aproximar do porto, por sua vez, os coqueirais cantam seus ais incontroláveis em sobressaltos de encher os olhos dos apreciadores, e as suas folhas bailam com o ritmo da música de acordo com a batuta do vento soprando forte em outra direção, escrevendo canções que a memória jamais esquecerá, fico inerte com a beleza da natureza, então neste enleio vem-me à mente que somos nuvens passageiras e temos que aproveitar os bons momentos, a partir daí, no silêncio da calmaria amo tudo isso e vou arriscando um voo rasante na casa dos sonhos num verdadeiro clima de liberdade o qual entrou na minha mente como um foguete em chamas, e o vento que sopra ao leste dos vinhedos e bananais numa imagem sem maquiagem deu-me várias oportunidades. 

Muita gente nas ruas comentando sobre a situação do país, as notícias do século corriam à boca miúda diante das inúmeras reportagens que passavam em vários canais das TVs ligadas nas lojas de eletrodomésticos, e naquela hora deu-me uma vontade enorme de entrar no bar e tomar um aperitivo antes do almoço, o ambiente estava lotado, ao fundo vi uma mesa desocupada, aproveitei e me dirigi até lá enquanto o barman aproximava-se anunciando o cardápio do dia, era irresistível o cheiro da comida, das carnes grelhadas a olho nu, apesar do céu nublado pedi uma cerveja bem gelada com uma rodela de limão e tira gosto de calabresa enfeitado com tomates, cebola e um punhado de batata palha, confesso, o assunto em tela não me interessava, quis fugir de determinados comentários, logo adiante um casal esperava pacientemente para ser atendido, não havia mais vaga e minha mesa comportava mais três pessoas, este casal vai me tirar da enrascada, pensei, fiz um gesto com a mão chamando-o, atendeu e os dois fizeram-me companhia, observei-os de perto, a mulher bem vestida mantinha um ar de preocupação e não retirava os olhos do seu acompanhante o qual mantinha a cabeça baixa, alheio a tudo e a todos, ele sonha sonhos inigualáveis, enquanto isso fala dormindo e de olhos fechados vai escrevendo os sentimentos, através de frases sem nexo, pausando-as de vez em quando para coordenar os pensamentos, como algo que falta ao amanhecer dando uma sensação indescritível, mesmo disfarçando notei que o mesmo balbuciava alguma coisa e a mulher encostando sua boca no ouvido dele, e sem soltar-lhe o braço, falou nitidamente,



- Tenha calma, você está fazendo uma viagem no tempo e tomando o rumo de um amor inacabado, mas se vive o presente é melhor não olhar para o passado, porque ele agora servirá de espelho para o seu futuro, e a boca jamais pronuncia o que se esconde no pensamento, a não ser em sonhos inventados, como agora, segue travando suas batalhas chegando a uma infância e juventude quase pela metade, virando-se para o lado oposto, pergunta se a companheira entende o que ele está falando,


- Sim, entendo, responde solícita e atenta a cada palavra, entretanto ele não estava ouvindo absolutamente nada, e como ela era conhecedora da sua maneira, esqueceu o sono revigorador e deixou-o continuar nos seus devaneios,

- Homem ao mar, homem ao mar, sigam-nos os bons! Ou então,

- Façam suas apostas, senhores, vermelho 23! E ia mais além,

- Não pode se entregar por esta vida marvada, há se eu pudesse...O que você está fazendo? Ou ainda,

- Bebo a desgraça do fracasso
Numa mesa de bar sozinho 
Pra afogar certas mágoas
De alguém que não cresceu
Mas isto serve de exemplo
Pra que não aprenda a confiar
No diabo que apareceu. 

Mesmo sabendo que em seus devaneios ele não a ouvia, sua companheira tentava replicar. Eu não me contive, ouvi calado toda aquela história, mas em dado momento perguntei quais foram os motivos que levaram o senhor “Neguinho das pedaladas”, como a sua esposa o chamara, todas as noites ter seu sono agitado, então a esposa me falou que num determinado dia ele pegou a estrada da mata para cortar molhos de palmeira, fazerem cestos e venderem. era assim teriam mais uma renda no final do mês, e ao chegar lá levou uma carreira danada, escondeu-se atrás de uma moita e viu o danado de um preá pendurado na boleia do caminhão, retornou pela estrada, ao longe encontrou uma casa com varanda e ali estava uma menina sentada numa rede balançando pregada em dois esteios, quando ela olhou começou a gritar, “ai, sai seu Zé”! Ele disse que correu para acudir a tal menina, pois pensou que ela estava em apuros, olhou para os lados e sem querer avistou um bezerro voando, dizendo que quando olhou o bezerro o referido pedia passagem, minha filha, meu marido disse que em dado momento sentiu tanto medo que caiu de ribanceira abaixo, arranhou-se todinho, desmaiou e quando acordou tinha um passarinho cantarolando ao lado, bem que te vi...era um bem te vi, foi assim que ele voltou para casa desanimado, amarelo, muito chateado porque não conseguiu o que queria, daí por diante ficou desse jeito desmemoriado, mas quando dorme lembra tim, tim, por tim, tim, é inacreditável.

- Como você conheceu “Neguinho das pedaladas”?


- Conheci-o, respondeu Virna, se apresentando nos semáforos, nos pontos de ônibus lotados das praças, com uma bola e uma bike aro 29, ora ele estava com a bola na cabeça, ora com a bicicleta, sempre fazendo suas piruetas, daí a população o batizou carinhosamente com esse nome, fui embora, porém quinze dias depois retornei e o encontrei com da primeira vez fazendo as mesmas coisas, então sentei ao lado esquecendo-me do tempo e quando ele terminou seu trabalho me cumprimentou com um sorriso, conversamos por horas intermináveis e para encurtar a história, o senhor acredite ou não, em pouco tempo estávamos casados, mas como lhe relatei, após o trauma sofrido ele foi diagnosticado com a síndrome do pânico, não pode ficar um só instante sozinho, porém teve um dia que me descuidei dele e senti que alguém tentava despertar-me, abri os olhos e ainda sem acreditar, este alguém com uma folha de papel nas mãos diz por entre o espesso vidro transparente,

- Cuidado com o “coelho”! Procurei embaixo dos bancos na sala de espera do consultório e não vi coelho algum, isso deveras me assustou, porque aquela não era a minha intenção de machucar qualquer animal, e continuo falando porque as pessoas ao redor não retiravam os olhos de mim,

- Qual coelho o senhor está a falar? Por aqui não passou nenhum bicho, mas o homem abre a estreita porta com cuidado, caminha na minha direção aparentando um pouco de preocupação, e sem deixar de sorrir, retruca apontando o local, nossa, que equívoco, eu pensei comigo mesma, 

- Senhora, o seu “joelho” está inchado, por isso falei que precisa ter cuidado com ele, aqui tem mais espaço, colocando um banco para que eu estirasse a minha perna, agradeci a gentileza e retribui o sorriso amável daquele homem, assim novamente fechei os meus olhos e continuei a ruminar os meus pensamentos que naquele instante eram muitos, dez minutos depois fui interrompida, chamaram-me pelo nome, chegou a minha vez de entrar para fazer o exame tão esperando, porque coração não é brinquedo e enquanto ele continuar pulsando, haverá dentro de mim uma paixão escondida no seguimento da própria vida. 

Pousando aqui e acolá, o homem escreve momentos enquanto que a mulher mesmo freando seu ego, sai descrevendo sentimentos, e outros nem isso fazem, se isolam do mundo, mas o amanhã é uma incógnita, cheio de surpresas, e nas idas e vindas retornam para o mesmo lugar, é por isso que mantenho vários cadernos atualizados e guardados.


(Escritora Maria José da Conceição<Mj>, em 22/11/2016)

domingo, 20 de novembro de 2016

DIGA NÃO AO PRECONCEITO

Estamos em pleno século XXI, as mudanças do tempo na vida do homem trás benefícios, e aos olhos de Deus não existe raça superior ou inferior, somos todos iguais sem nenhuma consequência, não tem jeito, numa diversidade de cores e raças, preto, amarelo, cafuzo, branco, gordo, magro, deficiente, seja lá o que for, pois fazer juízo errado é trapaça pura, o importante é ser direito, mas parece que ainda vivemos na era primitiva, porque muitos continuam com a mente aprisionada, e não se julga alguém sem antes o conhecer, pois a cor do sangue é vermelha e corre nas nossas veias, à cor da pele, a opção sexual, o ódio, a miséria e a ignorância tudo isso tem apenas um nome: PRECONCEITO. É preciso retirar a trave dos olhos e enxergar a liberdade ao redor, e um dia quando isso acontecer, tenho certeza de que o mundo será melhor.
(Escritora Maria José da Conceição (Mj), em 20/11/2016)

sábado, 19 de novembro de 2016

#DESABAFOSDEUMAARTESÃ#

Alguém me perguntou se eu gostava de fazer crochê, respondi que sim, me sinto realizada em cada peça fabricada pelas minhas mãos, porém foi necessário parar, e ela perguntou,

- Por quê você parou? Então eu respondi,

- Eu parei porque alguns clientes querem que eu faça crochê por amor a arte...ela insistiu,

- Ora, mas ter amor pela arte é essencial...

- Sim, o amor é essencial, no entanto não paga as contas e nem o material que utilizo para satisfazer a vontade dos outros...ela ficou calada com a minha resposta...

(Escritora Mj e M.J. Crochê-Design, em 19/11/2016)

LUA INSPIRADORA

Deixa-me poetar, oh, natureza mãe
Em homenagem a tua beleza exuberante
Que nos presenteia quinzenalmente
Com um belo espetáculo no céu
É a lua cheia de inspiração constante
Trazendo venturosa alegria
De dia adormece no véu
Daquela nuvem branquinha
Mas ao anoitecer retorna linda
Munida de força pra festejar
Com os amantes casais enamorados
Os quais deliram sonhos na mente
Porém guardados no coração!

(Maria José da Conceição, em 19/06/2016)

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

LUTA RECONHECIDA

Passei a noite em claro, mas isso foi necessário a fim de fazer um balanço de tudo o que aconteceu, e na história que eu vou contar sonhava a menina de que quanto mais caminhava o passado se distanciava de um futuro brilhante porém desconhecido o qual lhe aguardava eternamente, entretanto pensava ela que esse dia não iria chegar, mas o destino traçado igual a uma feira ambulante conseguiu modificar a sua trajetória secular, pois de tanto acreditar viu seus sonhos serem realizados. Eu sei que as palavras são poucas para expressara ao ver reconhecido um trabalho travado de luta nos sentimentos que habitam neste momento dentro do reino encantado de agonia o qual aprendeu aos trancos e barrancos, meu amado, como andar de bicicleta e sem medo de olhar o horizonte, pois os teus olhos de quimera de longe me observou, corrigindo alguns erros, e com a caneta ou sem ela, conseguiu selar para sempre uma amizade sincera a qual levarei guardada no coração para o resto da vida.

(Escritora Mj, em 16/11/2016)

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

PENSANDO EM TI

No silêncio do mar, no silêncio da brisa
No silêncio da noite, na incerteza da vida
O que se faz? Encontra o quê?
Vou dizer o que acontece
Se falamos de amor e desamor
Uma esperança vazia a tombar de agonia
Porém se eu tentar te esquecer
Será mais sofrimento e dor
E vou lastimar minha sorte
Pois forte como a morte bem assim é o amor
Lá se vai a idade devagar bem diferente
O tempo passa veloz no silêncio do mar
E a gente?
É, fica a pergunta no ar...

(Maria José da Conceição <Mj>, em 16/11/2016)

terça-feira, 15 de novembro de 2016

ANSEIO A TUA PROCURA

Olhos de olhos nos olhos que te vejo
Ouço cantar na janela o rouxinol
Saber que canta encanta e me faz bem
Braços fortes, loucura assim luxúria
Deixando levar mais forte o suspirar de alguém
No mais profundo anseio a tua procura
Buscando longe, bem longe em alto mar
Lá navegam grandes barcos a singrar
Parando em novas terras, horizontes até encontrar
Um canto como encanto vejo por cá
Do nada que não sou capaz em berço
Brincando enfim com as palavras não esqueço
Pensando nisso muito mais almejo
Como um soldado armado
Marchando firme, irei
Acreditando na esperança pra não mais voltar
Mostrando com peito aberto, sem medo
Que nenhum espinho pode machucar
Pois o mundo é grande e não me perco
E no anonimato escondido 

Quem sabe esse livro estudarei
E bem no meio da multidão resolverei
Toda questão se assim for o teu desejo.

(Escritora Maria José da Conceição (Mj), em 15/11/2016)

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

QUIMERA MITOLÓGICA

Sou a combinação de diversos elementos
Feita da água corrente no mar
E do vento no ar do universo
Do fogo aquecido que teima em queimar
O barro umedecido da terra
Porém quando te vi pela vez primeira
Com aquele jeitão primaveril
Transformei-me na quimera mitológica
Meus olhos mudaram de cor
Os teus não saíram do lugar
Senti na alma a leveza de abril
Livre, saltitante e cheia de alegria
O sangue nas veias pulsou forte
Um mausoléu de pensamentos
Enfileirados na mente
Querendo te encontrar na carreira
Então conheci que naquele instante
Nasci para te amar.

(Escritora Maria José da Conceição (Mj), em 14/11/2016)

sábado, 12 de novembro de 2016

AMORES FORTUITOS

Hoje em dia
Há tantos beijos
Tantos olhos que não vejo
Nos desejos tantos zens
Tantos bens de sentinela
Das marias na janela
Suspirando em poesia
Os amores que não chegam.

(Escritora Mj, em 12/11/2016)

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

DESFALECER NO MAR DA PAIXÃO

Por dentro eu quis ver de pertinho, mas a vida é uma caixinha de surpresa, o estrago fez-se presente, então calei minha voz para sempre e ela já não canta mais como outrora, pois no meu melancólico mundinho dói imensamente o medo de perder-te e isso vem tomando conta de todo meu ser, agora vivo como folha seca ao vento, quebrando-me em pedacinhos e virando pó bem devagarzinho juntando-me ao esterco da terra, muito embora ao apagar das luzes lembro-me muito bem que na relva do meu corpo onde teu corpo deitou tantas vezes faiscaram labaredas do fogo aceso, e hoje, escondo-me nas cinzas do apagado amor esperando quem sabe, novas brasas ascenderem para desfalecer em teus braços no mar repentino da paixão, porém chegando ao fim da montanha, eu vi o forte abraço dado ao redor do mar, foram dias e noites sem parar grudados um no outro por medo de se perderem no mausoléu do tempo, então vejo que a solidão quer se apoderar devagar outra vez dentro de mim, aí vem com toda força as lembranças de ti que quando me tocas na alma enlouqueço dos desejos mais profundos e sublimes, sinto tua presença, o teu cheiro e o teu carinho porém o preço a pagar é alto, mas saibas que podes estar a quilômetros de distância e jamais ficarás longe da minha mente porque os meus sentimentos continuam vivos.
(Escritora Mj, em 11/11/2016)

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

A VISÃO DE THATILA

Thatila passeava tranquilamento no centro comercial da cidade para ver as novidades que acabaram de chegar da região sudeste e estavam expostas nas vitrines criativas, verificando o preço de cada mercadoria finalmente decidiu comprar algumas peças inéditas, e sentindo-se satisfeita com o seu intento resolveu retornar para casa, andava com passos lentos, sem preocupação pela calçada da avenida e logo na esquina com a rua do colégio parou, olhou para o céu e algo chamou a sua atenção, as nuvens um pouco amareladas, andavam muito rápidas, porém deram passagem para a lua que saía do lado norte para o lado sul numa velocidade incrível e atrás dela as estrelas brilhantes também tomavam o mesmo rumo, e enquanto a lua passava, Thatila controlava os seus movimentos, e quase como num passe de mágica transformou-se num coração maravilhoso todo enfeitado de estrelas, meu Deus, gritou ela, como é possível! O que irá acontecer? Acordou sobressaltada com o som do telefone móvel tocando ao seu lado, na cama.
(Escritora Mj, em 10/11/2016)

terça-feira, 8 de novembro de 2016

TUDO COMEÇOU ASSIM...

Juntando um pouco daqui, dali, de acolá veio a primeira publicação, fiquei tão feliz e quase não acreditei no que vi, a entrega fez-se especial com a bênção da dor, mas ouves, quem sabe o amanhã, talvez num sonhar acordado pois fiquei aliviada pensando em ti com meu olhar no teu olhar, porém isso aconteceu só na minha imaginação e nas voltas que o mundo dá. Oh, noite cruel, não se consegue dormir quando o próprio passado manda lembranças, saio no anseio a tua procura, só com a força da mente, daí fui vencedora e hoje tenho uma paz interior, mais adiante tentei descrever, do meu jeito, as coisas do sertão e logo apareceu àquela mãe com os seus desabafos, porém vejam meu coração, o mesmo ficou arrebentado por causa de uma ligação perdida, ai de mim, seu moço, uma geração louca ninguém merece com essa tecnologia avançada, a bagagem de um jovem me fez dar o grito da liberdade até o sol chegar, entretanto sofri uma grande decepção com o presente que ganhei de um amigo, e isso fez com que me tornasse lixo humano após o vaqueiro apaixonado entrar na sala de aula, desvairado, fazendo convite pra dançar, por isso virei uma fera com o luso-brasileiro, sacanagem, mas passou porque chegou o dia e a noite do abraço na vida do nordestino o qual escreveu sonhos de amor, desta feita gravado no diário da paixão, e no final virou amor bandido nas minhas lembranças guardado na casinha do roçado, lá em Palmeira dos Índios onde descobri a essência da alma, uma vez que somos seres errantes, pensantes a mercê da ingratidão de alguns. Pai de bondade, Tu és o meu alicerce, segura, por favor, na minha mão, preciso descobrir o sentido da vida e saber de onde vem essa paixão repentina, no entanto se somos o mundo dentro da caatinga já é uma boa explicação, e foi assim que tudo começou.
(Escritora Mj...08/11/2016)

MEU DOCE ENCANTO

Meu doce encanto
Tu és o senhor dos meus sonhos
E jamais me envergonho de dizer
Que me alimentas com teu saber
O teu afago, os teus beijos, o teu abraço
Me confortam e regeneram o meu ser
Porém se tivesses o poder de ler
Os meus pensamentos nesse instante
Saberias o que se passa aqui dentro
Quem sabe, poderias ajudar a livrar-me da opressão
A qual me consome constantemente, e eu diria
Que se eu pudesse seria a tua escada de trampolim
E não te deixaria sofrer nenhum tormento.

(Maria José da Conceição (Mj, em 08/11/2016)

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

O VALE DOS VENTOS


Ouves, ainda dá tempo de apreciar as flores ao redor, sentir seu perfume espalhado ao vento, agradecer pela vida que te é apresentada em cada amanhecer, não sejas ingrato, aproveita as pequenas coisas que a própria vida te oferece, elas são oportunidades únicas, por isso não olhes o passado, esse já foi, não mais existe, vês um futuro grandioso à tua frente o qual pede entrada gratuita, agarras com unhas e dentes e jamais digas que não tens tempo e não sois capaz, eu afirmo que o tempo existe, está dentro de ti e tens capacidade suficiente de fazer o que gostas, portanto não desistas antes do apito final, sonhe, persista, seja forte e um dia o teu desejo será realizado, as pedras pelo caminho existem muitas, porém se caíres, levantes e vejas o horizonte, ergues a cabeça e segues em frente, porque és capaz de transpor barreiras inigualáveis, pois um bom lutador nunca foge da luta diária.

(Escritora Maria José da Conceição (Mj), em 07/11/2016)

domingo, 6 de novembro de 2016

DIÁRIO DA PAIXÃO

Meu anjo bom e amigo
Quando estou contigo
Me torno outra pessoa
Penso em ti cada segundo
Não consigo te esquecer à toa
Hoje me sinto agradecido
Foi um presente ter te conhecido
És o que sempre quis
Ainda tenho esperança de um dia
Te fazer muito feliz, porque
Quem espera sempre alcança
E jamais deixarei de sonhar
Expresso-me em cada verso
O que queria te falar
Gritando pro universo
Que estarás sempre ao meu lado
Estarei também ao lado teu.

(Escritora Mj...06/11/2016)

sábado, 5 de novembro de 2016

CAVALEIRO SOLITÁRIO

De repente aparece um ser envolvente, solitário e no peito carente o coração magoado, ele sente e sofre abandonado porque carrega dentro de si uma enorme bagagem, encontra-se ali um pouco de tudo, são algumas histórias tristes e outras alegres, viveu lindas histórias de amor, muitas delas foram passageiras da agonia, outras talvez flores no jardim, e naquelas mãos sem nada entender desabrochou para a vida, não ficou à toa, e quem sabe ele amou, mas é difícil saber porque os anos passam depressa, porém o homem envelhece sem entender que um dia é da caça, e o outro do caçador.
(Escritora Mj...05/11/2016)

ENGENHO DE UM POETA

(Escrevi este poema em 23/08/2014, e no mesmo ano ele foi escolhido através de concurso organizado pela Pastelaria Studio Editora, em Portugal, para o Poemário 2015, cujo livro contém vários autores.)


Bem vindo ao reino encantado
No mundo de fantasia
O poeta é arquiteto, engenheiro
Fazendo do lápis e papel
Sua arte dia após dia
Escrevendo versos à granel
Palavras e frases fluem abundantes
Lembranças jamais esquecidas
Da infância, vidas vividas
Sentimentos da alma aos montes
Às vezes não precisa ser formado
Esse dom o acompanha
É mais um curioso escolado
Na própria história da vida
Quem lê, se encanta, se vê
Naquele escrito em forma de poesia
Escreve com clareza, leveza da alma
Lá dentro tem tanta firmeza
Como a própria natureza exuberante
Sem nunca fazer alarde
Pra que o mundo o veja
Poeta também é arrojado
Na luz do candeeiro
Escreve um pouco apressado
Quando precisa ser brejeiro
No entanto sofre calado
Só ele sabe o que sente
Tem que botar no papel
O que guarda na mente
Senão vai sair chamuscado
Do próprio reino encantado.

(Escritora Maria José da Conceição, Mj, em 05/11/2016)

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

PENSAMENTOS IMEDIATOS DA ALMA

Será que sabes que o mundo é feito pra vivermos? Será que sabes que te amo, te quero e te desejo? Será que sabes o que será de nós, e o que será feito dos nossos sentimentos? Somos marinheiros à deriva, barcos parados no mar sem fim cheios de fantasmas nos pensamentos, e um grande momento se aproxima, porém não vemos o que acontece no mapa, pois a casa está deserta sem ti, meu amor, então diz-me, onde fica a estrada, por favor para que eu possa ir ao teu encontro, galgando os degraus da solidão sombria num céu aberto, luz apagada não mostra o lugar na rua perdida das nossas vidas, dos corpos nus, as feridas abertas e no final, eu...sem nada...
(Escritora Mj, em 04/11/2016 - Pensamentos imediatos da alma)

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

ESPELHO MEU

Já que as mãos que te pegam e os olhos que te enxergam são dois ambulantes coitados os quais muitas vezes ficam sem nexo na solidão que impera do silêncio, então, diz, espelho meu, se na sombra do reflexo pudesses estar do outro lado, terias outra visão ou ficarias encabulado?
(Escritora Mj, em 03/11/2016)

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

A FÚRIA DOS SENTIMENTOS

No frescor da manhã se faz presente
O orvalho da aurora retumbante
Espargindo fragrância exuberante
Proliferando-se a favor do vento
Na busca constante do amor ausente
E no sol incandescente fica à espera
O retomar da vida como outrora
Muito embora feche os olhos e a mente
No desejo de ter felicidade
Mas em vão o coração teimoso insiste
Igual a tapume vicioso sente
A carência dum ser que em si existe
Saindo do peito a vontade e o desejo
É sentido nos arredores a cada instante
Testemunhando a malvada solidão
Que se abate na noite malfadada.”
(Escritora Mj, em 02/11/2016)

VIDA SENTIDA E CANTADA

Palavra pensada é vida escrita e sentida
Porque num caldeirão sem suporte
O filhote de cruz credo estando de vigia
Perdeu a paciência no meio da calmaria
Deixando o ninho sem cantar vitória
Abriu as asas mergulhando no infinito
Voou no espaço sentindo a emoção
Sem reter os sentimentos alegrou o coração
Passou a sentir o vento dormindo na esteira do tempo
Mostrou sua beleza ao mundo sem nenhum tormento
Depois contou a história que na calada da noite

Foi gerado por amor na vida sentida e cantada
Por amor alimentado e na pia batizado
Também registrado, crescido foi descartado
E por amor retirado dos braços de quem o gerou.

(Autora: Maria José da Conceição, em 02/11/2016)