sexta-feira, 29 de setembro de 2017

CAMINHOS DE LUÍZ VAZ

Sem pensar em desistir, vá em busca dos sonhos, eles existem, bom dia!
ACADEMIA VIRTUAL DE ARTES LITERÁRIA
Cadeira: 24
Patrono: Luíz Vaz de Camões

Acadêmica: Maria José da Conceição (Mj)

Pode até ser fantasia
Mas vinculei no pensamento
Fazer algo especial
Sobre o nobre patrono
Que ganhei na academia
É Camões, o Luiz Vaz
Escritor português
Da tradição ocidental
Como a sua poesia
Possivelmente nascido
Na cidade de Lisboa
Daí percorreu caminhos
Nas estradas da vida
Totalmente numa boa
Frequentador da corte
Num pequeno mundo burguês
Amou muito e foi amado
No fogo que arde sem doer
Navegando em mar
Antes nunca navegado
E para século sem fim
Escreveu vários sonetos
Dominou literatura e latim
História e muito mais
Transformou em peça teatral
Depois foi exilado
Mas o nobre namorador
Não se deu por vencido
Alistado como militar
Lutou o bom combate
Perdeu um olho na batalha
E passou muito mal
Num mar tempestuoso
Com a alma amargurada
Repleta de sentimento
Porque não viu sua obra
Ter um pouco de atenção
Morreu pobre e esquecido
Não sei se foi do coração
Deixando um grande legado
Até para a posteridade
Porém depois de morto
Seu trabalho fez sucesso
Tendo fama consolidada
Nas prateleiras do progresso
Com mistérios e lendas
Recheadas de aventuras.

Palmeira dos Índios-Al, em 29/09/2017.

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

O VIAJANTE

O CARÁTER DE UM HOMEM É MEDIDO ATRAVÉS DAS SUAS ATITUDES...
Acadêmica Maria José da Conceição (Mj)
Cadeira 24
Patrono: Luíz Vaz de Camões


Doutor eu vim de longe
E sou um pobre viajante
Lá das terras do sertão
Ando errante no caminho
Sentindo-me abandonado
Então o senhor pode me dá
Abrigo no seu ranchinho?
Eu estou muito cansado
Com fome e sede também
Porque nesse vai e vem
Embora vestido de monge
Que ganhei do mosteiro
Pra me aquecer do frio
Amarguei um mau bocado
Sem ter no bolso um vintém
O senhor é um homem formado
De ouro é o seu coração
E eu sou bem viajado
Porém fico desconfiado
E logo ligo a antena
Pois tenho quase certeza
De ver aqui um radar
Fazendo cena de novela
Na moleza me espreitando
Pra todo canto que eu vá
E se o senhor desejar
Levantarei bem cedinho
Antes do raiar da aurora
Se permitir que eu fique
Pra poder lhe recompensar
Com a minha gratidão
Eu prometo trabalhar
E deixarei tudo limpinho
Pro senhor ficar satisfeito
Mas se não for desse jeito
Basta pagar o que valho
Olhe pras minhas mãos
Estão cheinhas de calo
Pois pego touro no dente
Eu limpo até bebedouro
Tiro cabelo do pente
E ralo milho na gamela
Vou provar pro senhor
Que estou falando a verdade
Até morei no alambique
Porém não sou viciado
Nunca bebi e nem joguei
Mas no chiado da roda
Do violão faço moda
Tocando até um xaxado

Eu só não quero abusar
Da sua valiosa bondade.
Palmeira dos Índios, 27/09/2017.

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

O VOO LIVRE DA ÁGUIA

ACADÊMICA: Maria José da Conceição (Mj)
CADEIRA: 24
PATRONO: Luíz Vaz de Camões

É feliz o homem que aprende com seus próprios erros e nunca desiste de lutar pelo que almeja, fazendo a cada dia um novo recomeço, e dela, uma nova esperança de vida, porque não existe nada fácil para quem gosta de trilhar o caminho correto, as facilidades estão aí, mas é por causa das brechas deixadas por aproveitadores da bondade alheia, sem falar que tem pessoas acomodadas num canto esperando que outros façam por ela, que as coisas caiam livremente do céu, e não é desse jeito, quem desejar adquirir algum conhecimento precisa “queimar as pestanas” nos livros, correr atrás dos sonhos, acreditar neles, ter perseverança, sabendo que jamais existirá vitória sem luta, e para chegar até onde eu cheguei, lutando como uma leoa, caindo e levantando de cabeça erguida, sem medo, e ainda hoje enfrento barreiras, pois só paro no dia que o “cordão de prata” se partir, capengando aqui e ali, só Deus sabe muito bem as amarguras que passei, e por incrível que pareça ainda passo. Houve uma época na minha infância que eu tive fome e não encontrei o pão fermentado para me alimentar e nem uma cama para dormir, o que encontrei foi o chão duro tendo o infinito como cobertor, após algum tempo, a coisa mudou, encontrei quem me acolhesse, me desse abrigo e tudo o mais que eu precisava, nunca reclamei por causa de um sapato com “meia sola”, nunca reclamei por ter dois vestidos por ano, um para o natal e o outro para romper o ano novo, nunca reclamei por não ter um brinquedo descente no dia das crianças, basta saberem que brinquei muito na calçada com caixas de fósforos vazias, com bonecas feitas com a palha do milho, e por inúmeras vezes eu vi e senti na pele a má vontade estampada no rosto de quem se dizia "amiga ou amigo" e com uma resposta seca na ponta da língua, “estou super ocupada(o) e não tenho tempo para tais baboseiras”, portas batidas na cara, as estradas tortuosas que enfrentei e ainda enfrento, as humilhações por ser “uma enjeitada” e por não possuir um nome com respaldo algum numa sociedade muitas vezes preconceituosa, que gosta de olhar os rótulos e não o conteúdo dos frascos, e não pensem que estou generalizando, pois dentro dessa mesma sociedade há pessoas de bom coração, que estão prontas a ajudar o outro a montar na bicicleta e empurrar de ladeira abaixo porque sabe que ali tem futuro, são a essas pessoas que chamo de espíritos evoluídos e empreendedores os quais não desgrudam do(a) parceiro(a), e de minha parte, sou eternamente grata por tudo que me fizeram uma vez que as coisas boas ou ruins serviram e servem até hoje para a minha evolução espiritual. Se perguntarem se alguma vez na minha vida eu cometi erros, direi que sim, vários, e continuo cometendo, pois não sou perfeita e isso faz parte do “ser humano”, mas tento me corrigir da mesma forma que a águia corrige seus voos rasantes do alto da montanha, e quem sabe um dia eu consiga ser livre como ela...
Escritora Mj, em 25/09/2017.

domingo, 24 de setembro de 2017

BAILADO PRIMAVERIL

Festeje a vida agradecendo pelos benefícios! 
Acadêmica: Maria José da Conceição
Cadeira: 24
Patrono: Luiz Vaz de Camões


Do lado de cá do Nordeste
Abro a porta devagar
E agradeço pelo que me deste
Vendo a vida festejar
Seu nascimento certeiro
E nas terras paralelas
Rodeadas de riquezas
Vejo a flor desabrochando
Num bailado primaveril
Encantando a natureza
Contrastando com o céu anil
E mergulhando abertamente
Aproveitando vi os peixes
Nas águas do mar do Brasil
Se juntando as do estrangeiro
Cada um com seu jeitinho
De peitinhos estufados
Num jogo de sedução
Cantarolando com fervor
E sem tristeza no olhar
Uma linda serenata de amor
Eternizados de carinho.

Poetisa Mj, em 24/09/2017.

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

CONDICIONAMENTO DOS SONHOS

AVAL – Academia Virtual de Artes Literária
ACADÊMICA: Maria José da Conceição
CADEIRA: 24
PATRONO: Luiz Vaz de Camões


Se não houvesse noite
E a noite fosse dia
Se ao invés da tristeza
Tivesse mais alegria
No beijo da luz que alumia
Com certeza haveria mais amores
No florescer das flores
E as dores do coração
Seriam curadas
Pois se eu tivesse algum poder
E pudesse escovar o tempo
Até a minha força acabar
Se eu pudesse escutar de momento
Mudanças eu iria fazer
Não teria nenhum obstáculo
Haveria mais sentimento
Uma porta a mais se abriria
E uma nova chance surgiria
Porém sou apenas mais um sonhador Neste mar de paixão
Como não tenho esse poder
É o jeito ficar na ilusão.

Poetisa Mj, em 21/09/2017.

terça-feira, 19 de setembro de 2017

DISCURSO DE POSSE + DUAS FOTOS

ACADÊMICA: Maria José da Conceição
CADEIRA: 24
PATRONO: Luiz Vaz de Camões.

Na areia deserta, desenhei vários castelos, então soprava um vento forte e eles se desmanchavam como num passe de mágica, o que me restava era apenas chorar desolada num cantinho por causa daquela construção inacabada, e minha mãe quando via aquilo, dizia: “...Maria, por enquanto você ainda é uma criança, tenha cuidado, porque passará em vários jardins proibidos da vida e no momento certo saberá o que estou a dizer, entretanto haverá uma luz no fim do túnel a qual iluminará seus caminhos, daqui uns tempos, talvez chegue a ser a própria cinderela louca adormecida através de um feitiço, mas acordará na hora certa; que você crescerá e os seus fantasmas continuarão rondando por perto; que o céu será o limite para os seus anseios; quem sabe, poderá vir a ser uma cantora renomada para emocionar o mundo, ou mesmo a si própria, mas um dia chegará a algum lugar e as letras, serão sua companheira inseparável; que aparecerá sempre uma mão amiga, então não desperdice essa chance, agarra-a com unhas e dentes, pois ela lhe levará ao futuro; respeita e reconhece para ser respeitada e reconhecida, nada é para sempre, somos apenas uma nuvem passageira de agonia; nunca desista de lutar e acredite nos seus sonhos apesar das faíscas do fogo ardente, e eu o que tenho a lhe oferecer são os seus estudos, até quando e onde você puder chegar, porque esse será o seu brilhante futuro num legado que ninguém poderá tirar...” Diante disso, aqui estou eu sonhando alto novamente, e aproveito a oportunidade para agradecer primeiramente a Você, Senhor Deus do universo, criador de tudo e de todos, que está presente em todos os momentos da minha existência, pelas maravilhas proporcionadas a esta humilde serva, pelas minhas derrotas e conquistas; agradeço ao Excelentíssimo Senhor ARMINDO LOUREIRO, presidente da AVAL - Academia Virtual de Artes Literária o qual acreditou no meu trabalho e mesmo sem me conhecer pessoalmente acolheu-me de braços abertos nesta Casa onde habita doutores de todas as espécies, dando-me a chance da união pela classe, lutando pelos mesmos ideais; agradecendo também a Senhora IRÁ RODRIGUES, vice presidente; secretária MARY ALVES, dentre tantos outros amigos acadêmicos, e dizer finalmente que a luta continua e sei também que continuarão me apoiando no mundo das artes.

Palmeira dos Índios, Alagoas, 19 de setembro de 2017.

Acadêmica Maria José da Conceição

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

VIVO POETANDO

Num momento passageiro, a vida vai e volta sem queixa...
Hoje vivo poetando
Num versejar proeminente
E te passando a visão
De um grito que dilacera
Avexando o coração
Deixando-o mais saliente
Neste mal que não me aguenta
Tem um véu que me sustenta
Por um ausente sorriso
Fazendo-se presente
Igual os olhos da quimera
Pois de tudo experimentei
Então não fiques grilado
Já estás bem ensinado
E quando descobrires o caminho
Irás perceber que as tuas asas
Serão abertas ao saíres do ninho
E com certeza poderás voar livre
Como o tempo navegando no infinito
Olhes bem para o horizonte
E verás que do alto da montanha
Lá estarei a espiar teu treinamento
Porque deste céu estrelado
Farei um hotel bem arrumado
Pois a vida é um sopro de vela
Num momento passageiro
É um ligeiro riscado
É tinta fresca escorrendo
Da aquarela é papel se partindo
É uma aresta sumindo
No rodopiar da manivela
É o sol surgindo numa linha circular
No romper da aurora o luar
Dividido em quarto de hora
Do cabelo uma madeixa
Que vai e volta sem queixa
É um descobrir devagar
Um tormento sofrido
Numa partícula de verbo
Quando a brisa do vento passar.

Poetisa Mj, em 17/09/2017.

sábado, 16 de setembro de 2017

VERDADEIRO ALICERCE

Chove lá fora e as gotas de ouro maciço se espalham no negrume do asfalto, os pássaros estão calados, porém atentos ao que acontece ao redor, e sabem que daqui a pouco precisam dar os seus voos rasantes no infinito, o vento está agitado enquanto a cidade dorme seu sono tranquilamente, então nesta hora os pensamentos vagueiam na minha mente tomando conta de todo o meu ser, as lembranças teimam e aparecem como faíscas acesas, e sei muito bem que preciso encarar a nova realidade de cabeça erguida, pois não adianta fugir dos problemas porque esse não é o melhor caminho, e mesmo que eu tente, eles me acompanharão para qualquer lugar, então Senhor Deus do universo, Pai justo e misericordioso, Conhecedor de cada milímetro do meu eu verdadeiro, dos meus defeitos e falhas, é na Sua mão que seguro quando meu barco está flutuando no mar, é na Sua mão que seguro quando o mesmo está prestes a afundar, e como sei perfeitamente que Você é o meu verdadeiro alicerce, Lhe agradecendo veementemente por deixar-me enxergar a luz do sol, reverenciar a beleza exuberante da natureza nata, por chegar ao fim do dia e observar no firmamento o espetáculo das estrelas num perfeito bailado de cair o queixo, pelo poder de levar o Seu nome em cada lar que diariamente me recebe com carinho, pela saúde, mesmo precária, para mover-me em qualquer lugar, pelas mãos para produzir e gerir o meu trabalho, porque é através dele que o alimento chega até a minha mesa, pela mente sadia de absorver as palavras e transforma-las em aulas e histórias contadas através do tempo, pela paciência de ensinar ponto por ponto a quem precisa aprender, pelas minhas vitórias e conquistas, pelas guerras enfrentadas para chegar aonde cheguei de cabeça erguida, pelas humilhações recebidas desde o meu nascimento até os dias atuais, as quais com certeza servirão para o meu crescimento espiritual, pelas lutas travadas comigo mesma, chegando a enfrentar um leão por dia, pelas pedras existentes em cada caminho percorrido, bem como as que ainda vou percorrer, pela coragem de transpor os obstáculos que encontro na longa estrada da vida, sempre com otimismo e perseverança, sem fraquejar e nem lamentar dos fracassos, pela minha família, e se ela não é a melhor, foi eu mesma que escolhi para progredir, pelas amizades construídas ao longo dos anos, e as que chegam constantemente, pedindo-Lhe que faça-se conforme a Sua vontade, Dai-me apenas um grão de areia de fé, um dia de cada vez e o discernimento necessário para entender o significado dos Seus desígnios, e aceitar o que não pode ser modificado, e que assim seja.
Poetisa e escritora Mj, em 16/09/2017.

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

POR TODA MINHA VIDA

Quando passar a tempestade, olhas para o horizonte e verás que lá estarei...
Numa posição subsequente
Saio remando o barco
Conforme o balanço do mar
E o oscilar do vento forte
Bem ao norte do infinito
Acima e abaixo do sol ardente
Vejo nascer uma semente
No alto da clareira
Mas de verdade
Seria uma estrela cadente
De repente ouço um grito
E lá estava ela brilhante
Saltitante e alvissareira
Observando da janela
Brincando com as palavras
Como se fosse poeta
Porém não esqueci o que vi
E nem tão pouco o que senti
Assim me perdi de momento
Baralhado em pensamento
Parei um pouco no tempo
Se realmente ele é nosso aliado
Pois se não tiver cuidado
Hão de pensar que sou louco
E na certa ficarei trancafiado
No quartel da embarcação
Nestes olhos dos olhos que lhe vejo
Chegar de mansinho
Como anjo flutuante
Abrindo a porta deste coração
Mergulhado de carinho
Por fim escrevo 

Que esta casa não existirá 
E nem resistirá sem você por perto
Então saiba que desde já
O sentimento ficará acinzentado
Aguardando por toda minha vida
O seu retorno que na certa
Será a renovação tranquila
De uma nova era do verbo partilhar.

Poetisa Mj, em 14/09/2017.

terça-feira, 12 de setembro de 2017

BOLHA DANÇARINA

De suspiro em suspiro o coração palpita forte!
Esse será um segredo
Que guardarei ao ver
Naquele céu azulado
A ilusão de um suspiro
Movimentando-se no ar
Como bolha de sabão
Em vão ele sorriu
E chorou o descaso
Derramou lágrimas de paixão
Por outra bolha dançarina
E sentindo amor no coração
Pelo bailado da menina
Saiu a cantarolar
A cantiga do além-mar
Suspiro que vai e vem
No agitado ondular
Traz notícias do meu bem
Pois de suspiro em suspiro
O coração palpita forte
E até na ânsia da morte
Esperando a força acabar
Ainda assim suspirarei
Pelo amor que longe está
No horizonte a suspirar.

Poetisa Mj, em 12/09/2017.

domingo, 10 de setembro de 2017

ANAGOGIA DE ASPIRANTE

O pensamento vagueia na areia
deserta...Bom domingo!
Mar,
Nas palavras escritas
E vibrando de emoção
Sentado na areia deserta
O pensamento vagueia
Sentindo o sopro do vento
Tremer na silenciosa viagem
Bem no meio do sertão
Sei que muitas coisas 

Eu poderia te dizer
Pois do pulmão da alma
Tu me conheces como ninguém
E sabes tão bem o que sinto
Almejando no que desejo ser
Nesta anagogia de aspirante
É uma atitude irrefletida
Que deixa o coração do amante
Arrebatado de saudade
E dia após dia se apodera
De um cogitar constante
E com o medo de perder-te
Prolifera num rompante
Com a ausência sofrida
Porém quando apareces
É um crescimento abundante
Tal qual o canto ensolarado
Do cantar dos pássaros
Nos quatro cantos do planeta
É um querer de ficar perto
Mesmo estando longe
E quando a história acontece
A mágoa delineada desaparece
Deixando a tristeza desfortalecida.

Poetisa Mj, em 10/09/2017.

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

EU FICO INDEPENDENTE

Bom feriado para todos!
Se bem me lembro
Desde a inconfidência mineira
E outros movimentos sociais
Por causa de altos impostos
Que o príncipe regente
Vendo tanta confusão
Rebelou-se contra sua gente
E imediatamente falou
EU FICO
Em 9 de janeiro de 1822.
Mas com tanta perseguição
A revolução foi preparada
Do sul ao norte
Houve muita divergência
E até a deserção do rapazinho
Já estava combinada
Não havendo outro caminho
Senão a retirada do Brasil de Portugal
Então no dia 7 de setembro
Do mesmo ano
O grito de Dom Pedro
Ecoou no infinito
INDEPENDÊNCIA OU MORTE
Selando para sempre a separação
Com essa experiência
Quebrando toda e qualquer relação
Da colonização no país
E um mundo novo nasceu
Mas as besteiras continuam
Na SOFRÊNCIA da república brasileira...

Poetisa Mj, em 07/09/2017.

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

FLORES DA PRIMAVERA

Esperança renovada na estação da primavera, bom dia!
Sentindo o gosto das águas de setembro
Chegarem paralelas nas manhãs geladas
Mandando o inverno descansar
Fechando com chave de ouro
A porta do invernar
Deixando reinar na terra as flores
Todas com diferentes cores e odores
Desabrochando também no amor
Refletindo suas fragrâncias exuberantes
Exaladas para seres especiais
O seu cheiro paira na atmosfera
E a favor do vento se prolifera
Na natureza com os animais
Em aromas espargidos aos montes
Espalhando o seu real frescor
E num puro êxtase se esvaem
Soltando-se as amarras do tempo
Porque é sentido n
os arredores 

A todo instante
Então as raças 
Se misturam como amantes
Do norte ao sul e do leste ao oeste
Na subdivisão de cada espécie
Restaurando o que se perdeu
Dando esperança ao mundo
E renovando a própria vida
Na estação da primavera.
Poema escrito, em 22/09/2016.

Poetisa Mj, em 06/09/2017.

domingo, 3 de setembro de 2017

SEJA LÁ ONDE FOR MEU BEM

Descubras o caminho e perceberás a verdade! Boa semana para todos.
Chegou uma nova era
Repleta de flores e magia
E com ela o mês de setembro
Cheio de cores na primavera
Acendendo com a poesia
A fantasia dos amores
Nos corações apaixonados
Fazendo em cada encontro
Uma nobre conquista
É coisa de ver para crer
Porque há satisfação e vontade
De sentir-te em todo momento
Bem juntinho do meu peito
Vida e morte são benquistas
Pois tu me dás tanto prazer
Que de longe não resisto
E vou mais além
Nos teus braços eu me visto
De puro contentamento
Fico todo empolgado
Com teu beijo molhado
Inebriado de carinho
Pegando-te de jeito
Na cama ou na cozinha
No banheiro ou no sofá
Na rede da salinha
No escondido do matinho
Ou no canto da parede
Seja lá onde for meu bem
O que eu quero mesmo
É te deixar zen!

Poetisa Mj, em 03/09/2017.

sábado, 2 de setembro de 2017

AMOR PRIMAVERIL

Abra suas asas e navegue no infinito...
O sentimento dos amores
Descobertos com atitude
É como sentir a cor
De todas as cores

Espalhadas na flores
No porvir da primavera
Em plena juventude
Sem fazer zombaria
E sem gracejar
Saboreia a fruta
Através do paladar
Que sente o gosto e desfruta
Da companhia sincera
Pois o pensamento vagueia
Atravessando os açores
Como falcão no espaço
Voando com precisão
Sem ter parada certa
Porém alcança a meta
Do ponto de interrogação.

Poetisa Mj, em 02/09/2017.